Ouça a Rádio Alvorada

Play
Pause

17 de June de 2024

Ouça a Rádio Alvorada

Play
Pause

Javier Milei: quem é e quais são as propostas do presidente eleito da Argentina

Compartilhe:

Economista ultraliberal que ficou famoso na TV chega ao poder com discurso antipolítica e propostas radicais como fechar o BC e dolarizar a economia.

O economista ultraliberal Javier Milei venceu a eleição presidencial na Argentina neste domingo (19). Candidato de oposição, ele foi eleito com 55,95% dos votos na disputa contra o governista peronista Sergio Massa (44,04%).

Aos 52 anos, Milei será o 52º presidente do país e terá que enfrentar a pior crise econômica em décadas, com a maior inflação em mais de 30 anos, dois quintos da população vivendo na pobreza e forte desvalorização cambial. Desafios agravados por uma dívida externa bilionária e pela falta de reservas internacionais.

A Argentina, segunda economia da América do Sul e um dos principais exportadores de grãos da região, passa ainda por uma seca histórica neste ano, que atingiu a última safra de milho, soja e trigo, derrubou a produção agropecuária e levou à morte de milhares de cabeças de gado.

Quem é Javier Milei

Economista de formação, Milei se promove como um nome de fora da política tradicional que diz querer combater o que chama de “casta política” da Argentina.

Antes de se aproximar da política, ele atuou no setor privado, trabalhando em banco e em uma empresa que administrava aposentadorias e pensões. Também chegou a atuar como economista-chefe da Fundação Acordar, ligada ao peronista e ex-candidato à Presidência Daniel Scioli.

Professor universitário, Milei só se tornou mais conhecido do público argentino ao passar a ser convidado para falar em programas de rádio e, especialmente, TV.

Em 2021, com um discurso inflamado “contra tudo e contra todos”, venceu sua primeira eleição para o cargo de deputado federal por seu partido A Liberdade Avança, fundado no mesmo ano.

Costuma ser comparado por analistas políticos ao ex-presidente americano Donald Trump e ao ex-presidente brasileiro Jair Bolsonaro.

A vida pessoal de Milei se tornou assunto na campanha com a publicação de uma biografia não autorizada pelo jornalista Juan Luis González, que mostra a relação do economista com o esoterismo depois da morte do cachorro dele, Conan, em 2017.

Segundo a mídia argentina, Milei enviou amostras de DNA de Conan para uma empresa fazer clones do cão. A empresa já publicou textos no site dela em que confirma ter clonado o animal de estimação do político argentino.

Hoje, são quatro cachorros, todos mastins ingleses que pesam 90 quilos, segundo a imprensa argentina: Murray, Milton, Robert e Lucas. Milei costuma dizer que ele são “seus filhos de quatro patas” e ainda se refere a Conan, como quando discursou após vencer as prévias. “Obrigado, Conan, Murray, Milton, Robert e Lucas”, disse Milei em 13 de agosto.

Os nomes dos cachorros homenageiam economistas que Milei admira: Murray Rothbard, Milton Friedman e Robert Lucas. Já o nome de Conan é uma referência ao filme “Conan, o Bárbaro”, de 1982.

Governabilidade

No pleito legislativo deste ano, o partido de Milei, A Liberdade Avança, foi o que mais cresceu no Legislativo, saltando de três deputados e nenhum senador para 38 deputados e oito senadores.

No dia 22 de outubro, os argentinos votaram no primeiro turno das eleições presidenciais e também para renovar 130 cadeiras das 257 na Câmara dos Deputados, e 24 cadeiras das 72 no Senado.

Na nova legislatura, a sigla de Milei se tornará a terceira maior bancada do Congresso, atrás da coligação peronista de Sergio Massa, que conta com 108 cadeiras da Câmara, e da coalizão de centro-direita representada no primeiro turno pela ex-ministra Patricia Bullrich, que ficou com 93 deputados.

Somados, os partidos de oposição ao peronismo (Liberdade Avança e Juntos pela Mudança) têm mais deputados do que a bancada do União pela Pátria.

Propostas de Milei

“Não vim guiar cordeiros, vim despertar leões”, afirmou Milei quando seu partido venceu as eleições primárias, em agosto.

A retórica inflamada é uma das características marcantes do economista ultraliberal, que fez de suas propostas econômicas suas principais bandeiras de campanha. Duas delas, em especial, são as consideradas mais polêmicas:

  • Milei propõe a “dolarização da economia”, que pretende levar à substituição da moeda nacional peso pelo dólar. O modelo já foi adotado por outros países da região, como o Equador.
  • O presidente eleito também falou várias vezes que quer “dinamitar” o Banco Central, acabando com a instituição responsável pela política monetária da Argentina.

Durante a campanha eleitoral, ele também disse que quer promover uma desregulamentação para compra de armas pelos cidadãos e se colocou contra o aborto e à educação sobre questões de gênero nas escolas públicas.

No documento oficial enviado à Justiça Eleitoral, as principais propostas de Milei são:

Economia:

  • Eliminar gastos improdutivos do Estado e diminuir o tamanho do Estado
  • Cortar o gasto com aposentadorias e pensões, visando um “sistema de capitalização privado”
  • Privatizar empresas públicas deficitárias
  • Retirar “imediatamente” todas as restrições cambiárias, que limitam as compras de dólares pelos argentinos
  • Eliminar o Banco Central e promover a dolarização da economia
  • Promover uma reforma tributária que “elimine e diminua impostos para potencializar o desenvolvimento dos processos produtivos”
  • Concessões para a exploração de recursos naturais
  • Promover uma reforma trabalhista que elimine as indenizações, substituindo-as por um sistema de seguro desemprego, além de “promover a liberdade de filiação sindical” e “reduzir os impostos ao trabalhador”
  • Eliminar as retenções a exportações e direitos de importação

Saúde, educação e tecnologia:

  • Implementar soluções tecnológicas, como telemedicina, receita eletrônica
  • Proteger as crianças desde sua concepção
  • Criar um sistema de vouchers de cheques educativos
  • Eliminar a obrigatoriedade da educação sexual integral em todos os níveis de ensino
  • Investir na manutenção do sistema energético atual, mas também “promover novas fontes de energias renováveis e limpas (solar, eólica, hidrogênio verde)

Segurança:

  • Construir estabelecimentos penitenciários com sistema de gestão público-privada
  • Estudar a possibilidade de reduzir a idade de imputabilidade de menores
  • Desregulamentação do mercado legal de armas de fogo, proteger o uso “legítimo e responsável por parte da cidadania”

Compartilhe:

Leia mais

Investimentos da Apple na Bahia
PRF
Processo contra deputados
Demarcação terra indigena
Acao MPF
Bicho preguiça resgatado
Cumprimento mandados
Estudo de potencial
Sac Movel
Recursos assentamentos capa
Hospital Costa das Baleias capa
Policia Civil

Rede Sul Bahia de Comunicação - 2023 ©. Todos os direitos reservados

Rede Sul Bahia de Comunicação - 2023
© Todos os direitos reservados