Ouça a Rádio Alvorada

Play
Pause

22 de June de 2024

Ouça a Rádio Alvorada

Play
Pause

Como fundo eleitoral de R$ 4,9 bi uniu PT e PL ‘contra’ Pacheco e Novo

Compartilhe:

O aumento de quase 150% nos valores do fundo eleitoral uniu ontem o PT e o PL, bancadas antagônicas no Congresso Nacional, durante a votação do Orçamento de 2024.

O que aconteceu

Os líderes do PT e do PL na Câmara, os deputados Zeca Dirceu (PT-PR) e Altineu Cortes (PL-RJ), se posicionaram favoravelmente ao aumento. O valor saiu de cerca de R$ 2 bilhões para R$ 4,9 bilhões.

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), e a bancada do Novo também se uniram na sessão de ontem, mas para derrubar o aumento do “fundão”. Pacheco fez uma força-tarefa com aliados para tentar dissuadir os deputados do valor final — ele e outros colegas tentaram convencer deputados.

A proposta do presidente do Senado era de aprovar o destaque apresentado pelo Novo, que voltaria com o valor inicialmente encaminhado pelo governo federal na proposta de orçamento, de cerca de R$ 900 milhões.

A condição para o acordo era recompor o montante com o envio de um projeto de lei do Congresso, que seria feito pelo governo federal, que ajudaria a somar cerca de R$ 2,6 bilhões. A ideia era corrigir o valor das últimas eleições com a inflação.

A sugestão do Novo, no entanto, foi rejeitada por 355 votos dos deputados que defenderam manter o “fundão”. Apenas 101 foram favoráveis a reduzir o montante final. Com o resultado, os senadores nem chegaram a analisar a sugestão.

PT e PL têm grandes bancadas, são antagônicos, mas ambas as lideranças se posicionaram a favor do aumento. O argumento de Zeca Dirceu era que as campanhas eleitorais tinham que ser financiadas com dinheiro público, enquanto o líder do PL afirmou que os recursos aprovados em 2020 foram utilizados em uma campanha atípica, porque ocorreu na pandemia de covid.

O montante aprovado foi definido em acordo com líderes partidários e o relator do orçamento, o deputado Luiz Carlos Motta (PL-SP). O valor foi definido na CMO (Comissão Mista do Orçamento) e confirmada pelo plenário do Congresso Nacional.

O Orçamento 2024 foi aprovado ontem com valor recorde de cerca de R$ 53 bilhões destinados a emendas parlamentares e cortes menores que o previsto inicialmente no PAC — prioridade do governo federal.

Compartilhe:

Leia mais

Investimentos da Apple na Bahia
PRF
Processo contra deputados
Demarcação terra indigena
Acao MPF
Bicho preguiça resgatado
Cumprimento mandados
Estudo de potencial
Sac Movel
Recursos assentamentos capa
Hospital Costa das Baleias capa
Policia Civil

Rede Sul Bahia de Comunicação - 2023 ©. Todos os direitos reservados

Rede Sul Bahia de Comunicação - 2023
© Todos os direitos reservados