Ouça a Rádio Alvorada

Play
Pause

28 de May de 2024

Ouça a Rádio Alvorada

Play
Pause

Bahia leva Nordestão depois de 15 anos

Compartilhe:

 

Miolo de zaga seguro, volantes com imposição, mobilidade do quarteto ofensivo. Da defesa ao ataque, o Bahia mostrou muita eficiência, além de maturidade impressionante, para dominar amplamente o Sport e conquistar o tricampeonato da Copa do Nordeste na Arena Fonte Nova. Não fossem as bolas alçadas à área a partir de cobranças de faltas, um lance ou outro isolado, a equipe pernambucana não teria dado qualquer trabalho, tamanha era a superioridade tricolor.

Em ótima fase, Régis, Allione, Zé Rafael e Edigar Junio mostram maior entrosamento a cada jogo, abrindo e ocupando espaços, infiltrando e quebrando as linhas adversárias. A ausência de Hernane, um dos líderes do elenco, foi capitalizada de maneira exemplar pelo técnico Guto Ferreira, que em nenhum momento desde a lesão do Brocador pensou em utilizar Gustavo, abrindo mão de utilizar um centroavante de área.

O gol que inaugurou o placar é um retrato da maturidade adquirida pela equipe de Guto Ferreira. Bola que sai da direita para a esquerda e para nos pés de Armero. Jogando no campo ofensivo, mais por dentro, ele arrisca o passe em profundidade que quebra a defesa do Leão da Ilha. Quando Edigar Junio domina, Régis se projeta e leva consigo e prende a atenção dos marcadores. Inteligente, Edigar gira para o outro lado e usa força e habilidade para balançar as redes.

A expulsão de Rogério só fez aumentar a superioridade tricolor, que passou a trocar passes com tranquilidade, de pé em pé, desde o campo de defesa, muitas vezes sem ser pressionado.

O Bahia poderia ter feito uma partida beirando à perfeição não fosse a falta de precisão na hora de mandar a bola para a rede. Melhor nas duas etapas, a equipe empilhou chances e deixou o seu torcedor apreensivo. É recente a lembrança do primeiro Ba-Vi da final do Baianão, quando o Tricolor foi amplamente superior, não matou o jogo e saiu de campo com um empate. No jogo da volta, viu o título ficar com o maior rival.

Conversando com jornalistas após a conquista, ainda antes da entrevista coletiva, Guto Ferreira justificou a imperícia dos seus jogadores pela ansiedade do grupo, pouco acostumado a decisões como essa. Acontece. Erra-se o último passe, a decisão que parece acertada, na verdade, é precipitada. Pesou também, mais para o fim do jogo, o cansaço. Os homens de frente ao Bahia já não tinham mais pernas para decidir.

Só nos minutos finais o Sport assustou o Bahia, naquele momento do abafa, do bom e velho “tudo ou nada”. Mas, convenhamos, seria injusto a “orelhuda” sair de Salvador.

Globo Esporte

Compartilhe:

Leia mais

Investimentos da Apple na Bahia
PRF
Processo contra deputados
Demarcação terra indigena
Acao MPF
Bicho preguiça resgatado
Cumprimento mandados
Estudo de potencial
Sac Movel
Recursos assentamentos capa
Hospital Costa das Baleias capa
Policia Civil

Rede Sul Bahia de Comunicação - 2023 ©. Todos os direitos reservados

Rede Sul Bahia de Comunicação - 2023
© Todos os direitos reservados