Ouça a Rádio Alvorada

Play
Pause

17 de June de 2024

Ouça a Rádio Alvorada

Play
Pause

Seleção não se adapta a Diniz, que segue refém de nomes e não consegue implementar estilo

Compartilhe:

Brasil perde para o Uruguai com nova atuação ruim e sem perspectiva de melhora em mais quatro jogos com o técnico interino

Quatro jogos e duas datas Fifa depois, o trabalho de Fernando Diniz na seleção brasileira chega até a metade com a sensação clara de que, em mais quatro partidas pelas Eliminatórias antes da possível chegada de Carlo Ancelotti, o treinador não conseguirá implementar de vez o seu estilo. Na inquestionável derrota para o Uruguai por 2 a 0, as qualidades ainda incipientes até apareceram, mas as fraquezas e dificuldades sobressaíram novamente, levando à primeira queda em um jogo de Eliminatórias em oito anos, ou 37 jogos. Mais do que o revés, fica a impressão de uma seleção em crise de identidade, que não se adaptou ao técnico, e que este segue refém de alguns nomes em detrimento de sua filosofia.

– As ideias estão sendo implementadas. Nenhum trabalho meu ocorre de forma linear. São momentos importantes pra gente aprender e melhorar. Os jogadores treinaram muito melhor do que conseguiram jogar. Houve uma falha grande na criação e o responsável principal é o treinador. Faltou mais criatividade e agressividade – analisou Diniz.

A expectativa de que a reunião de talentos facilitaria não só o entendimento, mas a execução do jogo mais funcional de Diniz, de toque de bola e intensidade, não se confirmou contra adversários mais exigentes. Contra o Uruguai, em Montevidéu, o Brasil teve problemas para sair de sua defesa e mais ainda para chegar ao ataque com condições de finalização. Uma correria aleatória e pouco pensada. Tudo piorou quando Neymar teve uma torção grave no joelho e saiu carregado de campo no fim do primeiro tempo, mas mesmo com o camisa 10 a seleção não finalizou a gol. Darwin Ñunez, pouco antes da lesão de Neymar, marcou para o Uruguai, e no segundo tempo De La Cruz ampliou. Provavelmente sem o seu principal jogador, o Brasil terá ainda a data Fifa de novembro, em jogos contra Colômbia e Argentina, para se recuperar. Hoje, a seleção tem sete pontos, na terceira posição, com Venezuela com os mesmos sete pontos. A Argentina lidera.

Após um início de erros técnicos nos passes, o Brasil conseguiu combinar as transições da defesa para o ataque. Nesse contexto, a participação de Rodrygo, Vini Jr e sobretudo de Gabriel Jesus agradou, mesmo sem brilho. Neymar, por outro lado, repetidas vezes recuou demais para ajudar no desafogo, diante de um Uruguai que pressionou bem a saída de bola e obrigou Ederson e os zagueiros a ficarem muito tempo com a redonda nos pés. Bruno Guimarães era quem deveria fazer a função, mas teve dificuldades. Casemiro também, e foi até adiantado, ficando sem função quando o time tinha a bola. Em resumo, faltou ao Brasil um meio-campo criativo. O que obrigou os atacantes a recuarem. Já que Diniz não mexeu no setor.

O escrete de Bielsa, por sua vez, foi compacto a todo momento e soube encontrar os momentos corretos para agredir o Brasil de forma aguda e bem vertical. Normalmente, acionando os avanços dos atacantes nas costas do lateral direito Yan Couto e do zagueiro Marquinhos, muito mal no jogo. Em uma dessas bolas, o defensor saiu sozinho, deu o combate sem interceptar o cruzamento, e ele chegou até a cabeça de Darwin Ñunez, que com categoria deslocou Ederson. Sem Neymar, Diniz optou por Richarlison no ataque e montou o time em um 424. Rodrygo acertou falta no travessão, e só. O Brasil terminou o jogo com Richarlison, Gabriel Jesus e Matheus Cunha no ataque.

Compartilhe:

Leia mais

Investimentos da Apple na Bahia
PRF
Processo contra deputados
Demarcação terra indigena
Acao MPF
Bicho preguiça resgatado
Cumprimento mandados
Estudo de potencial
Sac Movel
Recursos assentamentos capa
Hospital Costa das Baleias capa
Policia Civil

Rede Sul Bahia de Comunicação - 2023 ©. Todos os direitos reservados

Rede Sul Bahia de Comunicação - 2023
© Todos os direitos reservados