Ouça a Rádio Alvorada

Play
Pause

17 de June de 2024

Ouça a Rádio Alvorada

Play
Pause

Resistência à grilagem de terras para plantações de eucalipto no Brasil

Compartilhe:

Junte-se a nós para ouvir os líderes comunitários da biozona da Mata Atlântica do Brasil que estão lutando para cultivar alimentos para suas famílias e comunidades em resistência direta à expansão de plantações destrutivas de eucalipto controladas pela grande empresa de celulose Suzano.

Os territórios indígenas e as terras ocupadas por quilombolas foram tomados para as plantações de eucalipto e a expansão ainda não terminou. As plantações industriais da empresa brasileira Suzano (a maior empresa de celulose do mundo) cercam e isolam muitas pequenas comunidades agrícolas, esgotando as fontes de água locais e expondo pessoas, plantações e animais de criação a pulverizações de pesticidas. As plantações de eucalipto secaram córregos, rios e até lagos em territórios onde os direitos à terra são disputados. As plantações substituem a floresta nativa e não sustentam nenhuma vida animal, exceto o pólen de eucalipto que alimenta as abelhas.

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) está retomando as terras de plantação e transformando-as em agricultura agroecológica e agroflorestal, argumentando que a terra pode ser produtiva para a agricultura e para as pessoas, em vez de para a produção de celulose e para a Suzano. As comunidades quilombolas estão lutando pelo reconhecimento legal de suas terras, já que a Suzano continua a invadir as fazendas locais e as terras tradicionais da comunidade.

O contato com esses líderes foi feito durante visitas a comunidades no Brasil, em maio de 2023, por Lucy Sharratt e Kaitlyn Duthie-Kannikkatt, da Canadian Biotechnology Action Network (CBAN), como parte de uma delegação internacional para trocar informações sobre árvores geneticamente modificadas e plantações industriais. Clique aqui para obter informações sobre o intercâmbio.

Histórico: A empresa de celulose Suzano afirma ser proprietária de 1,4 milhão de hectares de plantações de eucalipto no Brasil. Isso inclui territórios indígenas e terras ocupadas por povos e comunidades quilombolas e camponeses. As plantações de eucalipto da Suzano são responsáveis por graves danos sociais, ambientais e climáticos, incluindo desmatamento, poluição, escassez de água e destruição de terras férteis. No estado do Espírito Santo, as famílias do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) produzem mais de 100 toneladas de alimentos por ano em terras que retomaram dos eucaliptos da Suzano. Ninguém come eucalipto, e mais de 33 milhões de famílias passam fome no Brasil. Se os 1,4 milhão de hectares de plantações da Suzano fossem usados para a reforma agrária, seriam suficientes para garantir a sobrevivência de mais de 115.000 famílias. – Extraído de “O que você deve saber sobre a Suzano Papel e Celulose” Movimento Mundial pelas Florestas Tropicais, 2023.

Compartilhe:

Leia mais

Investimentos da Apple na Bahia
PRF
Processo contra deputados
Demarcação terra indigena
Acao MPF
Bicho preguiça resgatado
Cumprimento mandados
Estudo de potencial
Sac Movel
Recursos assentamentos capa
Hospital Costa das Baleias capa
Policia Civil

Rede Sul Bahia de Comunicação - 2023 ©. Todos os direitos reservados

Rede Sul Bahia de Comunicação - 2023
© Todos os direitos reservados