Ouça a Rádio Alvorada

Play
Pause

29 de May de 2024

Ouça a Rádio Alvorada

Play
Pause

O Racismo que nos corrói a cada dia

Compartilhe:

Quando, há alguns dias, chamei o encanador para trocar o chuveiro quebrado no meu banheiro, não imaginava que aquela simples visita me provocaria uma profunda reflexão sobre o racismo no Brasil. Eu havia comprado um chuveiro novo, mas o encanador, com seu jeito calmo e experiente, me olhou e disse: “Esse chuveiro antigo ainda funciona, só precisa de um reparo. Por que não o colocamos no quarto de empregada?”

A menção ao “quarto de empregada” foi como um soco no estômago. É uma expressão que usamos comumente, mas que esconde décadas de desigualdade, racismo e exploração. Afinal, o que são esses quartos senão cubículos muitas vezes sem ventilação, criados para manter as empregadas domésticas sempre disponíveis para os patrões, mesmo durante a madrugada?

Fiquei ali, parado, enquanto o encanador começava a trabalhar. Minha mente vagou por um Brasil que ainda carrega o pesado fardo do racismo. Mesmo no século 21, o legado da escravidão permanece, e os negros continuam enfrentando dificuldades para acessar os serviços públicos ou espaços privados, além de serem relegados aos piores empregos e posições na sociedade. Ainda são desrespeitados, violentados e, muitas vezes, ignorados como cidadãos.

Refleti sobre as palavras do filósofo e atual ministro dos Direitos Humanos Sílvio Almeida sobre o racismo estrutural. O racismo persiste de forma insidiosa na sociedade, atuando silenciosamente, negando aos negros um lugar de igualdade.  Somos parte desse sistema racista. Reconhecer o próprio racismo é o primeiro passo para deixar de ser racista. Negar isso é perpetuar o problema.

Também aprendi sobre o conceito do “pacto da branquitude”, conforme definido por Cida Bento. Ela argumenta que os brancos, muitas vezes sem intenção explícita, contribuem para reduzir os espaços e oportunidades dos negros no mercado de trabalho e na vida em geral. São ideias desconfortáveis, que incomodam muito, mas que sei que são verdadeiras.

E como não lembrar da falácia da meritocracia, que muitos usam como pretexto para inviabilizar uma existência digna para mulheres e homens negros? A meritocracia só seria um sistema justo se todos começassem em condições iguais, o que nunca foi o caso. Os negros nunca tiveram as mesmas oportunidades que os brancos, e o legado da escravidão ainda pesa sobre eles. Portanto, as medidas de reparação são não apenas importantes, mas cruciais para reduzir as desigualdades e garantir a verdadeira cidadania a todos.

Enquanto o encanador finalizava o reparo no chuveiro, eu olhei para o passado próximo onde existiam anúncios como “apartamento com dependência de empregada” ou frases como “você paga salário mínimo para sua empregada?” Humilde, o encanador branco é mais um trabalhador que não se dá conta do racismo que corrói a nossa vida e representa uma mancha vergonhosa em nossa história.

Sempre que posso, abordo essas questões com meus filhos e é com satisfação que percebo que se tornaram pessoas  menos racistas do que fui na idade deles. Ainda há muito a ser feito, porém acredito que a nova geração dá passos certeiros rumo a uma nova consciência.

O Brasil, um país tão rico em diversidade, não pode mais se dar ao luxo de ignorar o racismo que o corrompe.

Quero aprender sempre, lutar contra minhas limitações e pensamentos ainda contaminados pelo preconceito, e fazer a minha parte na construção de um Brasil mais justo, onde todos, independentemente da cor da pele, possam viver com dignidade e igualdade.

 

Por André Curvello

Compartilhe:

Leia mais

Investimentos da Apple na Bahia
PRF
Processo contra deputados
Demarcação terra indigena
Acao MPF
Bicho preguiça resgatado
Cumprimento mandados
Estudo de potencial
Sac Movel
Recursos assentamentos capa
Hospital Costa das Baleias capa
Policia Civil

Rede Sul Bahia de Comunicação - 2023 ©. Todos os direitos reservados

Rede Sul Bahia de Comunicação - 2023
© Todos os direitos reservados