Ouça a Rádio Alvorada

Play
Pause

17 de June de 2024

Ouça a Rádio Alvorada

Play
Pause

No Mundial de Clubes da ascensão saudita, o que pode surpreender Fluminense e Manchester City?

Compartilhe:

Torneio começa nesta terça-feira, com Al-Ittihad x Auckland City. Tricolor e citizens jogam semana que vem, na semifinal

Os olhos tricolores estarão atentos já na tarde de hoje: às 15h, Al-Ittihad (Arábia Saudita) e Auckland City (Nova Zelândia) abrem o Mundial de Clubes em jogo pela primeira fase eliminatória, que começa a definir quem enfrenta o Fluminense na semifinal da semana que vem. Esta será a 20ª e última edição do torneio no formato atual, de sete times.

O tricolor entra como um dos favoritos ao título. Favoritismo relativo, já que a competição, sempre complicada, ficou ainda mais recentemente. Nos últimos dez anos, todos os europeus chegaram à decisão, enquanto metade dos campeões da Libertadores caíram ainda na semifinal: Atlético-MG (2013), Atlético Nacional-COL (2016), River Plate (2018), Palmeiras (2020) e Flamengo (2022).

Num ano que marca a ascensão dos times da anfitriã Arábia Saudita — graças ao investimento do governo local em contratações, essas equipes se tornaram badaladas —, a balança pode pender ainda mais para lados diferentes. No ano passado, o Flamengo caiu para um Al-Hilal já forte, mas ainda sem estrelas como Rubén Neves, Malcom e Neymar. Neste ano, o Al-Ittihad é favorito a ser o rival do Fluminense.

O time de Jidá conta com nomes de peso do futebol mundial, como os atacantes Karim Benzema e Diogo Jota e os volantes N’Golo Kanté e Fabinho, além dos brasileiros Romarinho, Marcelo Grohe e Igor Coronado.

Nos quatro jogos em que o recém-contratado Marcelo Gallardo treinou a equipe, foram três vitórias e uma derrota. Mesmo assim, a fase do atual campeão saudita não é das melhores: é apenas o quinto colocado na Saudi Pro League, com 28 pontos em 16 jogos (são 16 atrás do líder Al-Hilal).

O time tem pela frente um figurante conhecido do torneio. Dominante na Oceania, o Auckland City vai para sua 11ª participação, sem grandes expectativas.

O tradicional Al-Ahly

Quem vencer enfrenta o Al-Ahly, campeão africano pela terceira vez nos últimos quatro anos — outro time que tem 11 títulos continentais —, na sexta-feira. No último Mundial, os egípcios, com aplicação tática e física, deram algum trabalho para o Real Madrid na semifinal, apesar da derrota por 4 a 1, e perderam a disputa de terceiro lugar para o Flamengo.

Atualmente, são vice-líderes do campeonato nacional após seis jogos disputados, além de primeiros em seu grupo na Champions da África. A última derrota foi em 29 de outubro, para o Mamelodi Sundowns, time sul-africano que os eliminou da edição inaugural da African Football League.

Desde outubro de 2022, o suíço Marcel Koller é o treinador do Al-Ahly. A força coletiva de uma equipe sem tanto brilho pode ser um fator positivo para quem já acabou em terceiro três vezes (2006, 2020 e 2021).

Fluminense mantém alto nível

Em sua primeira participação no Mundial de Clubes, o Fluminense dispensa apresentações. Desde que venceu a Libertadores de maneira inédita, no dia 4 de novembro, a equipe de Fernando Diniz manteve o alto nível no Brasileirão, como na vitória categórica sobre o Santos, por 3 a 0, na Vila Belmiro. No ranking do GLOBO, o tricolor aparece à frente dos sauditas.

As únicas derrotas foram já nas rodadas finais, quando precisou desacelerar na Série A para evitar lesões. As dúvidas por problemas físicos seguem sendo o lateral-direito Samuel Xavier e o zagueiro Marlon.

Gigante inglês no horizonte

No caminho do sonho do Fluminense, está um dos maiores desafios que um time brasileiro já enfrentou na competição. Trata-se de um dos melhores times da história do Manchester City, comandado por Pep Guardiola. Com uma demonstração insana de volume ofensivo, os ingleses conquistaram a tríplice coroa (Premier League, FA Cup e Champions League) na temporada passada.

Em momento irregular no Inglês (perdeu a liderança e empatou três clássicos seguidos), a equipe ainda convive com contusões de nomes importantes. O meia Kevin de Bruyne (lesão muscular na coxa direita) e os atacantes Jeremy Doku (lesão muscular não detalhada) e Erling Haaland (estresse ósseo nos pés) são dúvidas para o Mundial. Dos três, o norueguês é que tem a recuperação em tempo hábil mais provável.

Em sua semifinal, os citizens encararão um debutante ou um tradicional representante asiático, ambos com histórico de derrubar times com maior poder financeiro. O León, do México, faz sua estreia no Mundial após conquistar seu primeiro título internacional na Champions da Concacaf, batendo o LAFC, da MLS. O atacante Nico López, ex-Internacional, atua no clube.

Já o Urawa Red Diamonds, tricampeão asiático ao vencer o Al-Hilal na decisão do continental da temporada passada, tenta fazer um time japonês chegar pela quarta vez à semifinal. Ele mesmo já conseguiu, em 2007, quando foi terceiro colocado. O moral vem baixo, já que a equipe do camisa 10 Shoya Nakajima foi eliminada na fase de grupos da Champions asiática no último dia 6.

Compartilhe:

Leia mais

Investimentos da Apple na Bahia
PRF
Processo contra deputados
Demarcação terra indigena
Acao MPF
Bicho preguiça resgatado
Cumprimento mandados
Estudo de potencial
Sac Movel
Recursos assentamentos capa
Hospital Costa das Baleias capa
Policia Civil

Rede Sul Bahia de Comunicação - 2023 ©. Todos os direitos reservados

Rede Sul Bahia de Comunicação - 2023
© Todos os direitos reservados