Ouça a Rádio Alvorada

Play
Pause

16 de May de 2024

Ouça a Rádio Alvorada

Play
Pause

Garoto com leucemia escreve carta para doador que nunca encontrou

Compartilhe:

Adolescente de 14 anos se tratou por quase seis anos e morreu.
Família achou a carta meses depois da morte do menino, em Curitiba.
 
Um garoto que lutou contra a leucemia dos sete aos 14 anos de idade deixou uma carta destinada para um doador de medula óssea, que ele nunca encontrou.
“Se você está lendo essa carta é porque você é meu doador. Quero te dizer que sempre estarei orando por você e estou muito agradecido por você doar a medula para mim e lembre-se: você salvou uma vida, a minha vida”, dizia um trecho da carta de Anderson. Ele morreu em dezembro de 2015, aos 14 anos, em Curitiba.
Meses depois da morte, a mãe de Anderson achou a carta escondida no fundo de uma gaveta. Era uma mensagem de agradecimento que ele escreveu para quem não chegou a conhecer.
A notícia
A notícia que abalou a família chegou em agosto de 2009. “Quando você senta na frente do médico e ele aponta pra você: ‘teu filho tá com câncer’, aquele momento pra frente, é tudo diferente. Tudo que você tinha pra trás, de sonho, planejamento, acaba tudo ali. Acaba. A única coisa que você foca é salvar o teu filho, fazer tudo por ele”, relatou Anderson Goulart, pai de Anderson.
Na época, Anderson tinha apenas sete anos. Ele era o filho mais novo do casal e irmão de duas meninas.
“Ele sempre estava sorrindo, sempre estava brincando”, lembrou o pai.
Durante quase seis anos, o Anderson e a família frequentaram o Hospital Pequeno Príncipe, na capital paranaense. Ele passou por todos os tipos de tratamento – um drama muito parecido com o de crianças que hoje estão no hospital.
Assim como alguns desses pacientes, o Anderson entrou na lista de espera por um doador de medula óssea compatível, mas não encontrou um doador.
Em 2016, o hospital fez 21 transplantes, a maioria pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Meninos e meninas que encontraram na família ou, então, cadastrados no Registro Nacional de Doadores Voluntários, alguém que salvou a vida deles.
“Quando você não tem um doador aparentado, que é um doador na família, a chance de você encontrar alguém com as mesmas características genéticas para aquela pessoa não é tão fácil assim”, explicou a oncologista pediátrica, Gabriela Caus Fernandes.
Alerta
A carta que não foi entregue a ninguém e traz um alerta sobre a importância de ser um doador de medula óssea. Hoje as frases escritas por Anderson revelam o sentimento que o fez lutar contra o câncer dos sete aos 14 anos de idade: esperança.
“Que essa mensagem venha a tocar as pessoas, que elas vão atrás fazer doação de sangue, que façam o cadastro nacional de medula”, falou o pai de Anderson.
Como doar medula
O número de voluntários cadastrados para doar medula óssea em todo o Paraná atualmente é de mais de 700 mil. O cadastro pode ser feito em qualquer banco de sangue.
Somente na rede do Centro de Hematologia e Hemoterapia do Paraná (Hemepar) são 22 postos.
O Registro Nacional de Doadores de Medula Óssea foi criado em 1993, passando a funcionar no Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva – INCA, a partir 1998.
Para efetuar o cadastro, o candidato deverá apresentar um documento oficial de identidade com foto. O voluntário não pode ser usuário de drogas e não ter tido nenhum tipo de câncer ou doença hematológica, mesmo que já estejam curados.
No momento do cadastro serão coletados de 5 ml a 10 ml de sangue. Não é necessário estar em jejum, porém, é preciso evitar alimentos gordurosos nas quatro horas que antecedem a coleta. Se for verificada compatibilidade com algum paciente cadastrado o doador é, então, convocado para fazer testes confirmatórios e realizar o procedimento.

Compartilhe:

Leia mais

Investimentos da Apple na Bahia
PRF
Processo contra deputados
Demarcação terra indigena
Acao MPF
Bicho preguiça resgatado
Cumprimento mandados
Estudo de potencial
Sac Movel
Recursos assentamentos capa
Hospital Costa das Baleias capa
Policia Civil

Rede Sul Bahia de Comunicação - 2023 ©. Todos os direitos reservados

Rede Sul Bahia de Comunicação - 2023
© Todos os direitos reservados